Dr. Francisco Le Voci

Esta reportagem, publicada no início de janeiro no portal português Notícias ao Minuto, explica como o estresse por arruinar o cabelo.

Dr. Francisco Le Voci, dermatologista e cirurgião dermatológico, fez um parecer sobre o tema após analisar a matéria. Confira:

O estresse é um importante desencadeador de alterações nos cabelos. Devemos, porém, analisar de uma maneira mais científica o artigo em questão.

Em primeiro lugar, em situações de estresse, pode ocorrer uma aceleração dos fios de cabelos, os quais têm, em média, uma duração de pelo menos dois anos.

O estresse, quer seja físico ou emocional, pode acarretar o que chamamos de Eflúvio Telógeno. Como dissemos, o ciclo normal dos cabelos apresenta uma duração média de pelo menos dois anos. O estresse pode provocar uma aceleração deste ciclo e, com isso, muitos fios caem antes da hora, ou seja, o ciclo torna-se mais acelerado. A queda diária normal, que varia entre 80 a 120 fios por dia, pode se acentuar chegando a até 600 fios por dia.

É importante ressaltar que a queda dita normal não é uma perda, mas sim uma troca, pois como os fios apresentam um ciclo de vida, ao completarem seu ciclo, caem e serão quase que imediatamente substituídos por fios novos, que por sua vez também cairão um dia.

Com relação às entradas cada vez mais fundas, não estão relacionadas necessariamente ao estresse. Na calvície, em especial no sexo masculino, é comum que haja uma rarefação capilar na região frontal, formando as entradas, as quais também podem aparecer no sexo feminino. Esta rarefação tem a ver em especial com a predisposição genética individual de cada pessoa, sendo que, pelo fato das raízes da região frontal serem mais sensíveis ao processo genético, é bastante comum ocorrer esta rarefação sem que o estresse esteja necessariamente relacionado.

Com relação à velocidade do crescimento, sabemos que, em média, os cabelos normais crescem 1 cm ao mês. Diversos fatores podem interferir nessa velocidade de crescimento, como fatores hormonais, nutricionais, excesso de tratamentos químicos, fatores imunológicos, genéticos e idade, entre outros. Dessa forma, o estresse até pode interferir na velocidade do crescimento, porém não é nem a única e nem a principal causa de retardo no crescimento dos fios dos cabelos.

Já a tricotilomania é considerada uma condição psiquiátrica na qual o paciente arranca os fios dos cabelos, sobrancelhas e até de outras áreas do corpo. Neste caso, devemos contar com auxílio de um profissional da área para o controle deste estado, sendo que uma situação de estresse importante pode até ser o desencadeador desta situação.

Se você precisa tirar dúvidas ou iniciar um tratamento, procure por um médico devidamente licenciado para isso. No topo da página no site da ABCRC, é possível procurar por profissionais em todo o Brasil e garantir, assim, que você será atendido por um cirurgião plástico ou dermatologista devidamente capacitado. Não se deixe levar por propagandas enganosas.