O Minoxidil foi inicialmente desenvolvido para atuar como droga anti-hipertensiva. Nesta função, sua forma de ação é bem conhecida, ocorrendo através da vasodilatação e da abertura dos canais de potássio. Os pacientes hipertensos tratados com o Minoxidil desenvolviam hipertricose (aumento no volume de pelos). A partir deste dado, descobriu-se que ele promove o crescimento de pêlos.

Seu mecanismo de ação a nível capilar ainda não é totalmente conhecido, sendo que a vasodilatação não é o principal fator de estímulo. O que já se sabe é que o Minoxidil afeta o ciclo capilar. Promove aumento da duração da fase anágena, estimula a proliferação celular na papila dérmica, gera o aumento do diâmetro das hastes capilares e aumento do tamanho dos folículos, estimula o fator de crescimento vascular (VEGF) e a síntese de prostaglandinas, inibe a síntese de colágeno ,consequentemente aumentando o número de fios por cm2 . É considerado um modificador de resposta biológica não específico.


Estudos Clínicos

Em 1988, foi aprovado pelo FDA para estímulo do crescimento capilar nos casos de alopecia androgenética masculina, na concentração de 2%. Em 1997, na concentração de 5%, após um estudo em homens, duplo-cego, randomizado, multicêntrico e com placebo, com duração de 48 semanas, que demonstrou a superioridade de resultados da maior concentração em 45% dos voluntários comparando-se à de 2% e ao placebo.

Nas mulheres, foi aprovado para uso em 1991, após um estudo de 32 semanas em 550 pacientes. Nele, a loção de Minoxidil 2% aumentou a contagem dos fios em 29% e o peso capilar em 42%, comparado ao grupo controle. Com a descontinuidade do tratamento, houve a redução tanto do número quanto do peso dos fios, após um período de 24 semanas. Como efeitos colaterais foram observados dermatite de contato em 6% dos voluntários do grupo da loção a 5%, e 2% no grupo da loção de 2%; e hipertricose em 3-5% no grupo da loção a 2%.

Pela presença do propilenoglicol na solução, outros efeitos colaterais também podem ocorrer em aproximadamente 7% dos casos, como irritação da pele, clinicamente demonstrada por eritema, descamação, prurido e ressecamento.

O Minoxidil aplicado topicamente não ocasiona alteração da pressão arterial sistólica, diastólica ou do pulso. A solução a 5% gera um nível sanguíneo de 1,2ng por mililitro. Para haver alterações sistêmicas, o nível sanguíneo da droga deve ser de 20ng/ml.

Até hoje, a loção de Minoxidil 2% continua sendo a única medicação aprovada pelo FDA para o tratamento da alopecia padrão feminino. Na prática, a concentração de 5% é muito usada.

O minoxidil inicialmente gera o crescimento de fios finos e curtos. Estes fios continuam a ter um ciclo pequeno e caem rapidamente, o que explica o aumento temporário da queda capilar que alguns pacientes podem referir depois de 10 a 12 semanas de tratamento. Diante deste relato, o médico deve explicar a causa da queda, e encorajar seus pacientes a continuarem o uso da medicação, para obtenção dos resultados desejados.


Modo de uso:

Um mililitro (ml) da solução deve ser aplicada no couro cabeludo duas vezes ao dia com os fios secos, e espalhada levemente com os dedos. Não é necessário massagear a região. O período de tratamento é indeterminado.

 (Por Maria Angelica Muricy)