Em função de equívocos em recentes notícias sobre transplante capilar, amplamente veiculadas na grande mídia e também e em maior intensidade nas redes sociais, a ABCRC nesta oportunidade vem a público tranquilizar e informar a população sobre as técnicas operatórias atualmente inseridas no arsenal cirúrgico da restauração capilar mundial.

Não existem técnicas antigas e modernas. As técnicas FUT e FUE são consagradas no mundo todo e, como tudo em medicina cirúrgica, com indicações precisas para cada caso. Ambas vêm sendo aprimoradas e refinadas ao longo do tempo pela expertise dos especialistas. Enganam-se
as pessoas que aceitam argumentos e propagandas de procedimentos cirúrgicos “sem corte e sem cicatriz”. Ambas as técnicas de colheita de raízes de cabelo deixam cicatrizes na área doadora quase sempre totalmente camufladas. Estatisticamente, em quase 90% dos casos, cicatrizes em cirurgias plásticas são de excelente qualidade e praticamente imperceptíveis. Em torno de 10%, por motivos diversos, as cicatrizes de FUT e FUE podem evoluir para algum tipo de intercorrência que, em mãos experientes, responsáveis, técnicas e, principalmente, habilitadas em Cirurgia Plástica e Dermatologia são, quando ocorrem, prontamente tratadas e resolvidas.

A ABCRC, na sua missão precípua de zelar pela integridade física da população brasileira, alerta para as propagandas enganosas, mirabolantes, com promessas irreais que, em última análise, colocam em risco a saúde e o bem-estar de quem procura pela restauração capilar.